Olá! Como vai você?

Você está lendo o diário de Iza.


Muito obrigada por sua presença nesse blog. Talvez você queira saber mais sobre o que é escrito aquiConto para voce aqui...


É muito importante que você comente as postagens. Ficaria muito feliz!

  • Você comentando podemos trocar experiências
  • Posso aprender mais
  • E estabelecemos uma conversa saudável através dos comentários!)
by · 4 comentários:

Talvez eu volte nas férias. Talvez não volte.


Hoje recomeço a trabalhar, também, no turno da manhã. Se já estava difícil atualizar o blog trabalhando apenas no turno da tarde,  mais difícil ainda trabalhando no turno da manhã, também.

Gosto de avisar ( caso eu suma ) para não deixar as pessoas procurando por mim aqui.
Então o blog vai ficar parado por um tempo. Talvez eu volte nas férias. Talvez não volte.

Read More
by · 3 comentários:

Mães que amam demais


Eu sou uma mãe que ama demais. Mães que amam demais; amam errado. Amam sufocando. Amam não deixando viver.

Tem um bom tempo que estou tentando amar certo. Por vezes, esqueço e me pego tentando viver a vida por ela.

Marido sempre reclamou dizendo:

-Vê se para de me tratar, também, como filho. Não quero ser teu filho. Quero ser tratado como marido.

Estou tentando melhorar isso. Ser assim é ruim tanto para os que me cercam quanto para mim. Ser assim é ruim demais.
Read More
by · 3 comentários:

O que é um blog morto?

Isso vai depender da resposta à pergunta: você bloga para quê?

Dia desses li uma discussão no Facebook sobre os blogs e listas de blogs na sidebar. Li uma pessoa dizendo assim: "meu blog morreu faz tempo".

Por isso acho que meu blog nunca morre. E se morreu; eu nem vi. Sou um tanto quanto individualista e blogo só para mim. 

Quem quer lê. Quem não quer não lê. Não crio expectativas em lugar algum.
Read More
by · Um comentário:

Um mergulho no mundo real

Adotei um cãozinho.

Fazia tempo que não tinha um cãozinho. Dia desses adotei um que andava magrinho perambulando pela rua.

Tão bonitinho. Um bebê ainda. Muito frágil.
Coloquei o nome de Thor.

Ando muito afastada da Internet. Profundamente mergulhada no mundo real.
Read More
by · Um comentário:

Aí eu fui promovida

Aí eu fui promovida:


"O Governo do Estado está promovendo, nesta semana, 8.341 professores e especialistas em educação do quadro do magistério da rede estadual"

Ao menos a promoção vai aliviar ( no bolso dos promovidos ) o fato do Governador ainda não pagar o Piso Nacional.

A prefeitura ( para qual trabalho ) consegue pagar o piso exigido por lei. 

A prefeitura do município vizinho, onde trabalham muitos dos colegas ( que conheci quando estive permutada para aquele município ) ainda não consegue.
Read More
by · 9 comentários:

O Aniversário de Meu Marido

Eu não entendo o motivo pelo qual as pessoas "que se conhecem pessoalmente"; ao invés de abraçar pessoalmente ou ligar no telefone de alguém querido, preferem o contato apenas pelo mundo virtual.

Eu não compreendo as declarações virtuais de amor e carinho para quem se pode dar um passo e dizer tudo olhando no olho do outro ou se muito distante, no ouvido, por telefone.

Hoje é o aniversário do meu marido. Como todas as pessoas normais eu até gostaria de fazer uma declaração via Internet dizendo que o amo e tudo mais. 

Como não tenho um marido "online e conectado" e sei que ficaria incomodado com uma declaração virtual não escrevo nada. 

Dou um passo e digo a ele tudo o que poderia escrever aqui. 
Read More
by · 19 comentários:

Porque um blog acaba?

Eu tenho um blog ( só eu tenho acesso a ele ) onde coloco a lista de blogues que gosto de acompanhar. Na lista eu contei uns cinco blogueiros que estão blogando com toda intensidade.

A grande maioria dos blogueiros que acompanho estão parados ou desistiram de blogar.

Por que um blog acaba? Quais são os motivos que levam o blogueiro a desistir?

Eu não falo nos blogs cuja intenção principal seja fazer sucesso ou apresentar artigos ou obras literárias. Falo nos que blogam como eu. Apenas por prazer.
Read More
by · 5 comentários:

Não somos a medida de todas as coisas.

Não somos a medida de todas as coisas. Não existe batalha pior, ou melhor. 

Existem guerras que cada um de nós tem de enfrentar e não podemos nos achar parâmetro para nada. Não existe sofrimento pior, ou melhor, do que o nosso. 

Cada um tem a medida certa para enfrentar qualquer batalha. Não podemos pegar a régua do nosso sofrimento e medir o sofrimento do outro. Não somos a medida de todas as coisas. 

Todo mundo enfrenta ou já enfrentou diversas batalhas na vida. Cada batalha acontece dentro do nosso universo particular, Não somos a medida de todas as coisas. Não há sofrimento maior ou menor. 

Eu nunca gostei daquele pensamento da maioria das pessoas onde se diz: “olha ali o sofrimento de fulano”, “aquilo é sofrer mais”. Não existe sofrimento maior ou menor. As réguas para medir sofrimento são individuais. 

Nunca vamos conseguir pegar nossa régua de medir e medir o que o outro está passando. O outro pode ter recursos para suportar o que a gente não suportaria e a gente pode ter recursos para suportar o que o outro não suportaria. 

Eu fico feliz quando encontro pessoas conseguindo sorrir apesar de tudo o que podem estar passando. Tento receber com carinho toda pessoa que chega até mim. 

Nunca se sabe o que a pessoa está enfrentando. Não somos a medida de todas as coisas.
Read More
by · 3 comentários:

Estranhos barulhos

Sabe, diário?


Ontem, a noitinha, estávamos conversando eu e a minha filha quando ouvimos um barulho muito forte de vidros quebrando.



Pensamos que fosse nos vizinhos, mas como era muito forte acreditamos que o barulho vinha da nossa cozinha. Corremos para a cozinha e estava tudo intacto.

Eu disse para a minha filha que não diríamos nada a ninguém. Que deveria ter uma explicação física para aquilo. Se disséssemos aos nossos parentes sem constatar o que realmente havia acontecido, logo viriam dizendo que era coisa de outro mundo e outras crenças e crendices que, embora eu acredite que exista; primeiro tenho que eliminar todas as hipóteses físicas.

Daí a filha lembrou que nossa cozinha e a sala ficam nos extremos da casa e que muitos barulhos que ela pensava que vinham da cozinha, na verdade, eram barulhos que começavam na sala.

Corremos para a sala.

Na sala estava uma antena interna de TV caída no chão de um lado e do outro um espelho redondo que eu havia comprado.

Eu só falei para minha filha. Ainda bem que não foi o espelho grande da sala. O grande tinha custado mais caro.
Read More
by · 2 comentários:

Assistindo Django

Estou querendo voltar a assistir TV. Tem mais de cinco anos que perdi o hábito. 

Em Pelotas eu assinava Via Cabo. Por aqui não existe muitas ofertas de TV por assinatura. Não existe TV por cabo. Somente por satélite. E tudo é muito caro. 
Estou vendo o que faço, pois não nem as Tvs de canal aberto funcionam direito nesta cidade. É Globo ou SBT. Uma chatice.

Para assistir a um bom filme temos que recorrer às locadoras.
Filha passa locando filmes e ontem decidi assistir junto com ela o filme Django.

Eu não sabia que no filme tinha tanta cena que ia abalar minha sensibilidade. Não gosto de olhar coisas assim. Me dá uma aflição enorme e começo a lembrar de todas as coisas que aconteceram em séculos anteriores.

Nem assisti ao filme inteiro. Fui dormir. Dormir e sonhar é sempre o melhor filme para mim.

Read More
by · Nenhum comentário:

Saudades do meu diário

Ontem, enquanto vagava pelas redes sociais, senti uma saudade enorme de ti, meu diário querido. E vou te contar um segredo. Reativei todos os blogs que tenho.
Para dar vazão a tudo que sinto e ou penso, preciso de todos os meus blogs.
Diário, você não imagina o quanto eu mudei a forma de ver o mundo. Depois te conto mais.
Read More
by · Um comentário:

Energias Virtuais


Quem ( como eu ) sofre de intensidade, deve escolher muito bem os caminhos a percorrer na Internet. Se não nos é possível, no mundo cotidiano, evitar os caminhos tortuosos e as energias negativas, ao menos na Internet dá para ler, tanto textos mais felizes quando imagens mais animadoras.

Existe pessoas que sabem, mesmo falando de assuntos mais sérios e ou complicados, colocar as palavras de modo que as mesmas não liberem em nós uma sensação de angústia ao término da leitura. 

Não quero dizer, com isso, que deveríamos fugir da realidade e fazer de conta que o mal não existe. Exemplos de que o mal existe já nos basta o cotidiano.

Eu acredito que, no virtual, as pessoas podem sim liberar energias que adoecem a gente. Tais energias, penetram exatamente naquelas pessoas, como eu, que sofrem de intensidade.


Já li e escrevi muita coisa de forma muito negativa, pesada. Já me contaminei com a minha energia virtual negativa e fui contaminada pela energia virtual negativa de outros tantos que lia por aí.

O leitor pode até pensar que me tornei uma pessoa positivista. Não. Sou realista. E sendo realista tenho pensando no tipo de energia virtual que pretendo liberar na Internet; bem como, no que pretendo absorver.

Na Internet é bem melhor transitar pelo lado mais feliz. O lado dos que sabem como colocar as palavras. E, como colocar as palavras, é algo que eu também tenho que aprender. Exatamente por causa desse meu lado racional e realista.
Read More
by · 2 comentários:

Depois de mim

Desde que voltei para cá me sinto mais segura. Mais determinada e muito mais amadurecida. Consigo lidar melhor com os fatos do cotidiano e tenho com quem conversar sobre os fatos mais íntimos da minha vida.

Meus irmãos são as pessoas mais chatas que conheço. Mas estão entre as pessoas que mais amo na vida. Tudo para eles é festa e brincadeira. E não me deixam em paz. Não me deixam ter as crises existenciais que tinha quando me sentia sozinha naquela outra cidade.

A gente pode até discutir num dia, mas no outro já estamos rindo e brincando com a situação.

Agora eu tenho uma casa na cidade e outra no campo. Tudo que eu sempre quis. Adoro estar entre as árvores e os animais.
Antes eu só conseguia ser feliz por fora. Agora também consigo ser feliz por dentro.
Eu adoro blogar, mas começo dizendo que não tenho mais o mesmo tempo que tinha para ficar na Internet. Se antes eu tinha somente a Internet como forma de lazer, hoje, vejo o quanto é difícil para mim estar conectada. 

Então, quanto mais simples for meu bloguinho, tanto melhor para mim. 
Read More
by · Um comentário:

O Antes e o Depois de Mim

Existe uma linha divisória que se formou em mim, no momento em que retornei para a minha Terra Natal. O Antes de Mim e o Depois de Mim. 

Antes de Mim estão todos os fatos acontecidos durante os meus quinze anos de afastamento da minha terra natal. Meu viver quase isolado, onde as únicas tarefas eram ir de casa ao trabalho. Do trabalho para casa.

Em dois mil e seis comecei a faculdade, então; era ir de casa ao trabalho e do trabalho para a faculdade. No fim de semana e ou nas férias passava na cama. Nenhum lazer. 

No momento em que comecei a faculdade deixei de ver TV e ler os livros que me davam algum prazer. Não visitava e não era visitada por ninguém. Minha família é que se esforçava para me ver. Viajar eu não viajava. Eu penso que no meu íntimo nunca quis ter me afastado da família. Nunca quis, verdadeiramente, sair da minha terra natal. 

Ainda na Faculdade, em meados de dois mil e oito, resolvi criar um blog e chamá-lo de Diário de Iza. Hoje penso que o criei muito mais para suprir a carência de contato com as outras pessoas, já que nunca me adaptei às salas de bate-papo, aos msns e orkuts da vida. 

Precisava falar com pessoas diferentes. Acreditava muito na amizade virtual sem compromisso, e, garimpando encontrei bons amigos que não conheço pessoalmente, mas virtualmente já os conheço há mais de cinco anos. 
Mesmo morando com marido e filha. Tendo os colegas do trabalho e da faculdade. Antes de mim, internamente, eu me sentia assim.
E esses amigos me conheceram antes de mim. Em uma fase que eu estava psicologicamente muito abalada devido ao enorme estresse que foi o período em que eu trabalhava e estudava. Conheceram-me em uma fase onde, longe da minha família, me sentia muito só. 
Me afastava do mundo cotidiano para mergulhar no mundo virtual e falar somente com pessoas desconhecidas. Era a minha forma de lazer. Minha única forma. 

A ficha caiu quando cheguei à Terrinha. Somente quando cheguei por aqui pude me ver, antes de mim. E pude saber dos motivos que me levaram a reagir da forma como reagia, antes de mim. Encontrei muitos motivos. Todos estarão descritos com o marcador, antes de mim.
Read More
by · 4 comentários:

Era Apenas Um Diário

No início de dois mil e oito, ano em que decidi compartilhar o que penso sobre a vida, no universo online, era apenas um diário o que queria fazer.


E reativo esse diário por gostar demais de me auto-analisar enquanto vou escrevendo. Agrada-me a idéia de saber que no momento em que escrevo vou superando os fatos sobre os quais escrevi.

Era (e é) apenas um diário porque não sou escritora e não quero compromissos com a escrita formal. É um diário porque não sei fazer (apesar de ler muito) literatura e ou poesias. É um diário online porque não me sentiria confortável, tendo, impresso em papel, aquilo que escrevo.

E mudando de cidade eu poderia ter também escolhido outro endereço de blog para recomeçar do zero. Resolvi “arrancar” as páginas antigas deste diário e seguir blogando nele, em homenagem aos pouquíssimos e bons amigos, que conheci neste mundão virtual, quando inventei de ter blog e chamá-lo de Diário de Iza.

Estou voltando e com muito que dizer sobre o mundo (velho e novo) em que vivo.

É apenas um diário. Um diário de superações. E tudo o que eu escrever por aqui será composto de coisas que superei.
Read More