Pensei que não era egoísta. Descobri que sou.

No domingo ( eles vieram para cá ) estava explicando para as minhas irmãos que estar sozinha longe da família é melhor do que sentir-se sozinha, perto da família.

Estava reclamando que elas não vinham me visitar, agora que, estou mais perto deles.

O que eles disseram me fez sentir um pouco egoísta. Disseram que quem teria que visitá-las era eu. Que todos eles tinham filhos pequenos e só eu que não. Minha filha é maior de idade.

Então, começaram a me contar dos problemas que tinham que resolver. Que ter filhos pequenos e ainda trabalhar não era fácil. Que eu estava de férias e eles não.

Aí senti meu egoísmo. Queria que todos viessem a mim e não estava pensando nos problemas que pudessem estar enfrentando.

Comentários

  1. Se meus parentes não vierem, me fazem um favor (e felizmente não vêm mesmo)...

    Mas isso que você deseja não é egoísmo de sua parte. É apenas um vício terreno exagerado da parte deles. Filhos, trabalho, e daí? Do modo que falam, parece que ter um filho significa estar de cadeira de rodas, e trabalhar significa estar tetraplégico, preso a uma cama. Eu me sentiria muito mal vendo alguém dizer que não pode fazer coisa tal por causa de filhos ou de trabalho. Aquele que vive bem não se diferencia do que vive mal por ter mais oportunidade de viver mais coisas, mas sim aquele que, dentro de suas condições, cria as oportunidades para viver mais coisas. O sujeito que é livre, sem filhos, que não precise trabalhar, não precisa criar oportunidade qualquer; já está condenado a nunca enfrentar desafios na vida...

    Esqueça esse papo de egoísmo, não caía no pragmatismo excessivo das pessoas normais...

    Beijos, até a próxima!

    ResponderExcluir

Postar um comentário



Postagens mais visitadas deste blog

Amigos Virtuais

Entre Kant e Hegel

Sobre borbolisas e como navegam pelo mundo...